Inglaterra gostaria de Mark McCall mas o treinador deixaria Saracens?

Existe, é claro, um argumento que test e club rugby são animais diferentes que requerem conjuntos de habilidades contrastantes. Estabelecer-se para ganhar em uma base semanal não é o mesmo que procurar atingir o pico uma vez a cada quatro anos. O ritmo frenético do clube de futebol americano e do jogo internacional de formato mais longo às vezes parece tão comparável quanto Madness e Mozart. Ocasionalmente, porém, um regente emerge com talento suficiente para transcender essa divisão cultural. Ter sido o mandante de três triunfos finais da Copa dos Campeões em quatro anos, como Mark McCall fez para o Saracens, é um grande currículo mesmo antes de os títulos de campeonatos da Premiership serem levados em conta. Em Newcastle no fim de semana, os jogadores de ambos os lados fizeram fila para confirmar a final deste ano como física e mentalmente exigente como qualquer partida de teste.Como ex-irlandês internacional com experiência em coaching em três países, McCall dificilmente pode ser considerado ingênuo.

Explica por que, de acordo com boas fontes, o RFU indicou McCall como seu candidato preferido. para suceder Jones. Francamente, não é a maior surpresa: por que ignorar o principal candidato sentado bem debaixo do seu nariz? McCall não só conquista o respeito em todo o jogo inglês, mas já tem o apoio de vários jogadores-chave – Owen Farrell, Maro Itoje, Billy e Mako Vunipola – que estarão no centro das fortunas de médio prazo da Inglaterra.Se ele aceitasse o emprego na partida de Jones – sempre que isso acontecesse – seria uma transição muito mais suave do que a maioria.

A pergunta de um milhão de dólares (sem piadas sobre salários, por favor) é se McCall será sempre valorizado de seu papel atual. Como Rob Baxter em Exeter, ele já tem um trabalho que ele ama, sua família é feliz e há potencialmente mais alguns troféus para serem ganhos.Em maio do ano passado ele estendeu seu contrato com a Saracens até o final de 2022 e ele repetidamente se retirou da disputa na Inglaterra. “Temos uma coisa boa acontecendo aqui e às vezes você tem que perceber quando você tem uma coisa boa acontecendo.” Optando por uma vida de intenso escrutínio da mídia, maquinações políticas e outros problemas fora do campo seria um grande passo. Ele quase certamente não se incomodaria se não lhe fosse permitido escolher seu próprio time de técnicos e administrar as coisas do jeito dele, o que é complicado quando os melhores jogadores da Inglaterra não são contratados centralmente.Seus jogadores sarracenos, porém, acham que ele tem todas as credenciais e até rivalizaria com Joe Schmidt, da Irlanda, como um guru que tudo vê. “O conhecimento de Mark sobre cada aspecto do jogo é extraordinário”, diz Alex Goode. , o jogador europeu do ano, disse. “Às vezes é esquecido, mas o olho dele para os detalhes é incrível. Ele vê tudo. Todo mundo fala sobre Joe Schmidt, mas ele é notável na maneira como vê tudo e prepara um time. Ele está sempre se certificando de que estamos prontos para todos os cenários e todas as situações. ”Richard Wigglesworth, do grupo sarraceno, pinta um quadro semelhante, descrevendo um homem que idealmente prefere que seus jogadores moldem seu próprio destino. “Ele fica mais do que feliz em ouvir e receber informações.Ele tem inúmeras conversas com pessoas durante a semana, perguntando: “O que você acha disso? Como você consegue isso? ”Ele não é um cara grande para os discursos de Churchill, ele não está dizendo a você:“ É assim que isso vai acontecer. ”Tudo se resume a um homem muito, muito diligente, que não deixa pedra. Não é de admirar que a RFU esteja cada vez mais interessada.Com Baxter também tendo indicado que ele ainda tem negócios inacabados em Exeter, McCall salvaria o novo executivo-chefe da RFU, Bill Sweeney, de ter que dar outro chute caro em alguém com pouco conhecimento do jogo em inglês.

A indicação de John Mitchell ou Jim Mallinder – prestes a assumir uma sombra da Inglaterra XV para enfrentar os bárbaros – envolveria um rearranjo mais simples dos móveis de Twickenham, mas nenhum deles tem o histórico de McCall de 51 anos de idade. Warren Gatland agora está inscrito para outro turnê do Lions, o treinador Steve Hansen, que em breve vai partir, Steve Hansen, quase certamente tem outros peixes para fritar. Se o McCall, de fala mansa, exprime até mesmo um leve desejo de treinar a Inglaterra na Copa do Mundo de 2023, o trabalho será dele.A alma do norte

Que final de semana foi em Newcastle.Esculturas de elefante de grama e fogos de artifício ao lado do Tyne, 40.000 visitantes ao fanático do Quayside no sábado (mais do que durante a Copa do Mundo de Rugby), torcedores do Saracens andando pela galeria de arte moderna do Báltico, fãs de Clermont torcendo por Leinster, crianças locais chutando bolas ovais em vez de redondas, festas de despedida e velhos adereços cambaleantes juntos ao longo das ruas de paralelepípedos do Toon…o nordeste era definitivamente o lugar certo para estar.Deve servir como um lembrete para aqueles que pensam que o rúgbi inglês começa e termina em Twickenham, que atrair novas audiências não é apenas um caso de mostrar-lhes as vistas de Londres.Um para assistir

As meias-finais do Pro14 deste fim de semana vai enfrentar Glasgow contra o Ulster e Leinster contra Munster, oferecendo às províncias irlandesas a chance de reparar por Leinster perder o título da Copa dos Campeões deste ano. Como extra, há também o play-off europeu entre Ospreys e Scarlets para o último lugar do Pro14 na Copa dos Campeões do ano que vem. Os vencedores serão os únicos representantes do País de Gales, enquanto a Inglaterra ainda poderá ter sete participantes.Isso depende de La Rochelle terminar entre os seis primeiros do Top 14 (provável) em que a Premiership ganhará um lugar extra e três de Harlequins, Sale, Bath, Wasps ou Bristol irão certamente fazê-lo. Se, por outro lado, La Rochelle terminar abaixo do sexto lugar, a França vai acabar recebendo o sétimo lugar extra, que pode – perversamente – ir para La Rochelle. Fique acordado nas costas!